Tecnoxamanismo

      Comentários desativados em Tecnoxamanismo


DESCRIÇÃO DO FESTIVAL

 

O I Festival Internacional de Tecnoxamanismo foi realizado no Instituto de Permacultura ITAPECO, localizado na cidade de Arraial d’Ajuda  no Sul da Bahia, em  abril de 2013. Organizado através de chamada aberta e viabilizado financeiramente através de crowdfunding, contou com a participação da comunidade indígena Pataxó da Aldeia Velha, local onde foi desenvolvida uma série de  workshops, oficinas, rituais, com a presença de cerca de 80 pessoas não indígenas.

 

O II Festival foi realizado na comunidade indígena Pataxó denominada Aldeia Pará, situada a 13 km da cidade de Caraíva no Sul da Bahia em novembro de 2016. O segundo festival teve a participação de cerca de 200 pessoas advindas de 7 estados brasileiros, 11 países da Europa e América Latina e 13 Aldeias Indígenas localizadas na região. Foi realizado de forma autônoma, com chamada aberta e crowdfunding. O Tecnoxamanismo, no entanto, desenvolveu muitas outras atividades entre 2013 e 2023 como a Campanha da Saúde Pataxó, que desembocou na construção de um posto de Saúde/Casa de cura na Aldeia Pará, 2023.

Com esta proposta atual que enviamos ao British Council pretendemos realizar a terceira edição deste evento, o III Festival Internacional de Tecnoxamanismo, dessa vez na Serra da Capivara, no Piauí, a maior concentração de sítios pré-históricos de toda a América, com pinturas rupestres com mais de 35 mil anos. Entendemos as pinturas rupestres como as mais antigas tecnologias ancestrais com que se tem contato.  Através de metodologias do re-conhecimento, cuidado e escuta, o Festival buscará se aliar com os povos tradicionais, como comunidades Indígenas e Quilombolas, e propor em colaboração com as lideranças locais, projetos de tecnologia e conhecimentos ancestrais, que serão abordadas através debates e discussões em mídias como rádio e redes sociais, assim como criação de espaços para troca de saberes sobre saúde, práticas holísticas, permaculturais e atividades da  terra.

 

A Residência Artística e pousada Sítio da Capivara, que será sede do III Festival Internacional de Tecnoxamanismo, está alinhada ao projeto de conservação e restauração da caatinga, e também à conservação e valorização das memórias dos povos tradicionais e originários da Serra da Capivara, Indígenas, Quilombolas e comunidades Ribeirinhas e Sertanejas.

 

SERRA DA CAPIVARA

 

O Parque Nacional Serra da Capivara foi criado oficialmente em 5 de junho de 1979 através do Decreto nº 83.548 do governo federal do Brasil. O parque foi estabelecido com o objetivo de preservar e proteger a rica herança arqueológica e cultural da região, que inclui importantes sítios arqueológicos e pinturas rupestres. A Serra da Capivara é famosa por suas pinturas rupestres que remontam a milhares de anos e que retratam a vida e a cultura dos povos pré-históricos que habitaram a área. O parque é um lugar fundamental para a pesquisa arqueológica e a preservação do patrimônio cultural do Brasil.

 

Desde sua criação, o Parque Nacional Serra da Capivara tem sido uma referência para a compreensão da pré-história e da história da ocupação humana nas Américas. Ele foi declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1991, reconhecendo sua importância e contribuição para o reconhecimento arqueológico e cultural global.

 

Estudos científicos comprovam que a área foi densamente povoada em eras pré-históricas e apresenta artefatos com registro de presença humana há mais de 50.000 anos. Está incrustado no Bioma  Caatinga (endêmico do Brasil) cujas características que o definem são clima quente e seco, solo pedregoso, e vegetação que se adapta aos períodos de estiagem, contra a escassez de água.

Devido à característica resiliente da caatinga, no Parque Nacional fauna e flora vêm sendo restauradas e preservadas nos últimos 40 anos. Espécies da fauna antes raros como onça pintada, sussuarana, tatu e veado caatingueiro, já são avistados cotidianamente, apesar de ainda correrem risco de extinção. Espécies da flora nativa estão sendo replantadas em diversos projetos de reflorestamento. A região também possui quilombos cujo propósito é a confluência de envolvimentos inspirados na cosmologia politeísta afroquilombola.  Além de ter a maior concentração de energia limpa oriunda de fazendas solares e eólicas do país.

 

https://www.instagram.com/pousadasitiodacapivara/

https://pousadapedrafurada.business.site/

 

PROPOSTA DE ATUAÇÃO SUSTENTÁVEL

O III Festival Internacional de Tecnoxamanismo já incorpora princípios que consideram seus impactos no local onde é realizado e nas comunidades que ali habitam. No segundo festival, dentro do território Pataxó foram construídos banheiros secos, realizadas ações de reflorestamento, oficinas sobre agrofloresta, permacultura, criando espaços de saúde/cura, assim como o manejo local e tradicional da cozinha, liderado pelas mulheres Pataxó.

No III Festival Internacional de Tecnoxamanismo a sede do festival propõe constituir o menor impacto ambiental possível deixando um legado que busca contribuir com contramedidas aos efeitos das mudanças climáticas. Com a escassez de água na região, a sede do Festival utiliza formas diversificadas de captação da água, estratégias opcionais de fonte de água para uso e para limpeza e irrigação, como as águas da chuva em cisternas, tratamento das água residual em filtros biológicos, sanitários secos e biodigestores, com foco na baixa produção de resíduos. Pretendemos também identificar e restaurar nascentes de rio da região assim como produzir práticas Agroflorestais e Permaculturais promovendo ações de terra-formação. Algumas ações específicas:

– Transporte: Serão priorizados sempre que possível encontros online para minimizar os impactos de deslocamento do festival, assim como outras contramedidas para enfrentar os efeitos das mudanças climáticas.

Alimentos: Buscaremos alternativas locais de alimentação sana (orgânica, agroecológica, de pequenos produtores locais) observando a sazonalidade dos alimentos.

– Água: Cisternas para a captação da água da chuva, e identificação através de equipamentos específicos, de fontes de água na região.

– Energia: Biodigestores.

– Gestão de resíduos: Já possuímos 6 biodigestores, assim como composteiras.

– Flora e fauna local: Através de práticas agroflorestais e de regeneração de nascentes pretendemos contribuir para a vida aquática e terrestre do local.

– Comunicação e marketing conscientes: Priorizaremos materiais de divulgação e de difusão de atividades digitais evitando impressões desnecessárias.

 

COLABORAÇÃO COM  PARCEIRO E PARCEIRA DO REINO UNIDO 

A colaboração com a artista anglo-italiana residente no Reino Unido, Dra. Eleonora Maria Irene Oreggia, se dará através de encontros remotos e participação presencial no III Festival de Tecnoxamanismo. Sua contribuição durante o processo de produção e execução do festival através de oficinas, workshops e palestras remotas, com apresentações presenciais durante o festival,  a partir de ligações entre suas tecnologias artísticas e musicais e os espaços arqueológicos e saberes localizados do da Serra da Capivara. A partir dos seus conhecimentos em Arte Eletrônica e Arte e Tecnologia  Eleonora será convidada a responder questões relativas à conexão entre Ancestralidade e Futurismo (ou Futuridade). Como aliar a Tecnologia porvir aos conhecimentos ancestrais (humanos e interespecíficos?) Para responder ou problematizar questões como essa, escolhemos Eleonora, mais conhecida como XNAME, pois ela tornou-se, ao longo das últimas décadas, uma parceira em vários projetos de Tecnoxamanismo, e também por ser uma pesquisadora na área, tendo publicado uma tese de doutorado sobre o tema. Também a convidamos por sua contribuição em eventos internacionais e publicações específicas para o Brasil, como no livro Tecnoxamanismo/2016 com o texto: “Transcendendo Tecnologia: Computação Ubíqua ou Tecnomagia?” Como exemplo de eventos que têm sua contribuição podemos citar sua parceria com a organizadora dos festivais de Tecnoxamanismo, Fabiane M. Borges, na organização, produção e trabalho de performance  na “Tecnoshamanism London Party”, em Grow Tottenham, Londres, 2019, festa organizada para promover engajamento em torno do encontro “Mutirão da Saúde Pataxó”, que seria presencial em 2020 para levantar um posto de saúde na Aldeia Pará, Sul da Bahia. O dinheiro foi alcançado e o posto de saúde está, neste momento, em fase de finalização. A pintura e os móveis do posto estão sendo oferecidos pela prefeitura de Porto Seguro. Desse modo, sua condição de uma das representantes do Tecnoxamanismo da Inglaterra, faz da Dra. Eleonora Maria Irene Oreggia a escolha ideal para participar desse projeto, em sua produção de discussões teóricas e pesquisas práticas envolvendo o tecnoxamanismo.

Tatiana Wells, a proponente do projeto junto à Associação imotirõ, tem dupla nacionalidade Brasileira e Inglesa. É pesquisadora, produtora de ações e eventos nos interstícios da arte crítica, mídia tática e tecnologias livres, festivais e laboratórios como Mídia Tática Brasil (2003), Submidialogia, Digitofagia (2004-2010) e o (des)centro de mídias IP:// (Rio de Janeiro, 2004-2018) https://midiatatica.net. Foi consultora em Implementação Social de Software Livre junto ao Ministério das Comunicações (GESAC) ensinando programas multimídia em software livre para educação em escolas públicas, comunidades indígenas, assentamentos e áreas rurais de todo o Brasil, com foco no Rio Grande do Norte. É atualmente candidata a MPhil pela Universidade de Liverpool, Inglaterra (2020-) pelo Departamento de Línguas, Culturas e Filme sob a orientação de Claire Taylor com a persquisa Digitofagia Subxamânica: immersions in 20 years of tactical memories and practices in Brazil aprofundamento de uma proposta de arte e tecnologia tática, uma Cartografia Feminista e Colaborativa realizada junto a Giseli Vasconcelos e Cris Ribas: Arquivos Táticos http://midiatatica.desarquivo.org/(2021-)

 

VISÃO PARA A ESTRATÉGIA DE COLABORAÇÃO DE MÉDIO E LONGO PRAZO DO FESTIVAL COM PARCEIRO DO REINO UNIDO

Viemos através deste projeto fortalecer as relações já existentes com o Reino Unido através de figuras chave que já participaram/participam desta rede de colaborações com a Imotirõ como Richard Barbrook (Universidade de Westminster) quando realizamos o festival Mídia Tática Brasil (2003) e a tradução colaborativa de seu livro Futuros Imaginários, publicado no Brasil em 2009 (https://midiatatica.desarquivo.org/2006-2009/futuros-imaginarios/), assim como no evento inglês Cybersalon de 2005 (http://lewissykes.info/archives/cybersalon/past.html#gilbertogil). Colaboramos também com David Garcia (Universidade de Bournemouth) e Geert Lovink quando, através de uma parceria com o Waag Institute (Holanda, 2004), realizamos o primeiro festival Submidialogia (2005) https://midiatatica.net/blog/category/submidialogias/ e a publicação Net.Cultura 1.0 (https://midiatatica.desarquivo.org/2002-2005/net_cultura-1-0-digitofagia/), organizada por Giseli Vasconcelos e Ricardo Rosas. Em 2011, começamos a desenvolver uma série de atividades na Inglaterra sobre Tecnoxamanismo, em função de Fabiane M. Borges, organizadora da rede de Tecnoxamanismo e dos dois primeiros festivais, estar fazendo um estágio doutoral em Artes Visuais na Goldsmiths, University of London, lugar que abrigou palestras e workshops sobre o tema. No livro Nanopolitics Handbook, 2013, foi publicado um texto de Fabiane e Camila Mello chamado: Technoshamanism EXERCISE: Technoshamanist performance ritual”, onde desenvolveram algumas ideias a cerca da tecnologia e do xamanismo, aproximando ideias como performance, memória e ritual.  (https://www.minorcompositions.info/wp-content/uploads/2013/09/nanopolitics-web.pdf). Nesse período de 2011 e 2012 houve uma série de eventos sobre Tecnoxamanismo na Inglaterra, que juntava  artistas como X-NAME, Jonathan Kemp, Martin Howse, Ryan Jordan, Victoria Sinclair, entre outros, que formaram uma cena artística em torno desses temas. Em 2013, alguns organizadores da rede Tecnoxamanismo colaboraram para a criação de um festival de Tecnomagia na Nuvem, Hacklab da Roça, em Visconde de Mauá, Rio de Janeiro, onde trouxemos Jonathan Kemp da Inglaterra, que também é um estudioso de tecnologia e xamanismo.  Em 2016, Fabiane Borges organizou e publicou o livro sobre Tecnoxamanismo onde todos esses artistas publicaram textos: TECNOXAMANISMO/2016 Ed. Invisíveis Produções: (https://tecnoxamanismo.files.wordpress.com/2018/05/tcnxmnm-22_layout-2.pdf). Em 2019 foi lançado o evento “Tecnoshamanism London Party”, em Grow Tottenham, Londres, 2019, onde Fabiane e X-NAME novamente trabalharam em parceria na organização, para arrecadar fundos para o Mutirão da Saúde Pataxó, que hoje em dia já conta com um Posto de Saúde em seu Território. https://tecnoxamanismo.wordpress.com/2020/12/03/mutirao-da-saude-indigena-pataxo-vila-para-caraiva-sul-da-bahia-brasil-19-a-24-de-maio-de-2020/.

Como é possível averiguar, as parcerias específicas aqui citadas com o Reino Unido têm acontecido ao longo das duas últimas décadas, e tendem a se fortalecer nos próximos anos. Com o apoio do British Council será possível realizar o III Festival Internacional de Tecnoxamanismo, o que aproximará atualmente, no período pós-pandemia, de forma presencial e online essas parcerias existentes. Pretendemos a médio e longo prazo expandir essas colaborações com mais artistas e teóricos do Reino Unido, criando um fluxo de troca de saberes em arte, cultura digital, tecnologias colaborativas, conhecimentos ancestrais, diversidade cultural, cosmotécnica e tecnodiversidade, o que certamente contribuirá para a pesquisa e prática decolonial e interseccional de universidades no Brasil e no Reino Unido, e na parceria entre elas.

 

ATIVIDADES

Nesta terceira edição do festival, organizada por um grupo de mulheres feministas, consideramos pré-encontros online com o objetivo de promover um debate transdisciplinar sobre memória ancestral e arqueológica, e também sobre desenvolvimento sustentável da região, pensando em um futuro onde tecnologia e conhecimentos milenares como os dos indígenas possam trabalhar em colaboração, junto com a criatividade e emancipação imaginária própria da arte.

Nosso principal interesse é debater assuntos relativos a tecnologias colaborativas, meio ambiente, interseccionalidade e interespecificidade para produzir um sentido de existência que escape do atual predomínio racionalista prescrito no modo colonial de enxergar a realidade. Mas também propor, em relação aos grupos locais,  formas de potencializar questões relativas à água, autonomia alimentar e tecnologias de sobrevivência mediante às mudanças climáticas. Além disso, questionar as relações entre monoteísmo e as culturas Quilombolas que têm crenças diversas, e outras formas de pensar e se relacionar com a natureza. O III Festival de Tecnoxamanismo prevê a realização desses debates com a intermediação também de artistas, agentes culturais e rituais transcomunitários.

Para realização dos encontros, prevemos duas estruturas fundamentais para que as atividades do festival ocorram:

Para realização desses encontros, propomos quatro estruturas fundamentais para que as atividades do festival ocorram:

 

  1. RÁDIO WEB: A permanência de uma web rádio durante os 7 dias de festival, com oficinas de produção da rádio, criação de acervo, produção de arquivo, seleção de música, programação sonora, locução, palestras, entrevistas, entre outros;

 

  1. TENDA DE CURA: Durante os 7 dias de Festival, haverá uma tenda de cura onde serão oferecidos todos os tipos de conhecimentos e atividades relacionadas à saúde mental e do corpo. Ela estará aberta para receber oficinas, palestras, workshops, ensinamentos sobre ervas, plantas medicinais, práticas de saúde mental, artes marciais, yoga, banhos de ervas, banhos medicinais, chás, etc. A tenda funciona como um SPA colaborativo e participativo, através de inscrição para participar como professor ou aluno. Ele será organizado por uma das dirigentes do festival.

 

  1. VISITAS AO SÍTIO ARQUEOLÓGICO: O III Festival prevê duas idas ao Sítio Arqueológico para promover experiências imersivas, e de conhecimento, através de passeios, palestras e ensinamentos de especialistas locais;

 

  1. ACAMPAMENTO: O acampamento será feito como uma opção para os inscritos no III Festival que optarem pela convivência e compartilhamento de vivências oferecido pela experiência de acampamento, para além da possibilidade de hospedagem em hotéis, hostels e albergues da cidade. Nesse acampamento, está prevista uma ampla agenda de atividades relacionadas à limpeza, ao tratamento do lixo com separação e reciclagem, à organização da alimentação, ao horário de silêncio, cuidado com água, banheiros secos etc;

 

  • APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS: Durante os 7 dias de Festival haverá uma agenda artística e cultural tanto de artistas de fora da cidade, como de artistas locais, realizadas através de inscrições. As linguagens poderão incluir vídeo-arte, vídeo-mapping, música eletrônica, música acústica e local, performances, arte eletrônica, projeções, instalações multimídias, etc.

 

Nosso interesse é abarcar um público diverso a partir das chamadas abertas para participação tanto nos encontros online quanto para o III Festival, além de colaboradores convidados para compartilhar suas práticas e histórias, e aprimorar metodologias de arquivamento e memória digital, assim como refletir juntes sobre futuros, numa experiência singular, em um museu a céu aberto, em uma confluência de visões, ideias e práticas ancestrais e de futuro.

_________________

[.]
Livretos Tricknology FEM TACTICAL ARCHIVES BRZL Antes, agora, por vir
Festivais/ Imersões Tecnoxamanismo MTB 20 anos Digitofagia Arquivos Táticos (Numun)